O que é tipografia e como usá-la no digital?

o que é tipografia

O que é tipografia e como usá-la no digital?

A tipografia é parte essencial do design e compreendê-la pode ser o que faltava para que suas artes gráficas e seu branding alcancem um novo patamar. A escolha da tipografia certa pode, por si só, representar graficamente o posicionamento, os valores e despertar sentimentos no público.

Já a tipografia mal implementada pode acabar com a sua estratégia de marketing. Quer compreender melhor o que é esse conceito e como utilizá-lo em sua estratégia de marketing digital? Confira o artigo abaixo!

O que é tipografia?

Definimos como tipografia o estudo, a criação e aplicação de caracteres, formatos, estilos e arranjos visuais das palavras. Inicialmente o termo era designado para denominar a impressão dos tipos, mas, atualmente, a maior parte da escrita é digital e ele agora abrange também estes outros aspectos.

É comum encontrar o termo “tipo” para se referir ao desenho de determinada fonte, que pode, inclusive, ser criada para uma ocasião. Isso acontece com nomes de grandes marcas, filmes, séries, nomes de músicos e bandas que contratam um profissional para criar uma fonte exclusiva. Um exemplo é a Coca Cola.

Os tipos são compostos por um conjunto de elementos chamados: braço, espinha, abertura, incisão, espora, junção, gancho, orelha, ligação, barra, vértice, ombro, terminal, cauda, oco, serifa, perna, barra, haste e bojo. Para compreender melhor, confira a imagem abaixo:

anatomia tipográfica

Reprodução: Slideshare

As classificações primárias de estilo de fontes

Existem muitas possibilidades de fontes de letras e elas variam muito uma das outras. No entanto, existem 4 que são consideradas as principais, como você poderá ver abaixo.

Serif

A fonte serifada tem pequenos traços e prolongamentos nas extremidades. São muito utilizadas em livros e grandes volumes de textos impressos, pois ajudam a leitura sem provocar muito cansaço visual, já que são lidas de forma completa, unindo as letras entre si. Em aplicações digitais, as serifas podem não ser a melhor opção, pois suas características acabam atrapalhando a visualização em telas.

Existem 4 grupos de serifa: estilo antigo, serifa de transição, laje e moderno. Uma fonte serifada muito conhecida é a Times New Roman.

Sans Serif

Sans Serif são as fontes sem serifa, que são mais retas e não tem os prolongamentos característicos das fontes serifadas. São usadas para textos mais curtos como títulos, chamadas e textos digitais. Uma fonte sem serifa muito conhecida é a Arial.

Script

Também chamada de cursiva, a tipografia script é uma fonte que simula a escrita humana. Proporcionam um toque elegante, clássico e suave, sendo usadas em convites de formatura, de casamento e outras escritas mais formais.

Uma fonte script famosa é a Monotype Corsiva, mas existem diversos outros modelos. Uma dica aqui é combinar uma fonte cursiva com uma sem serifa, proporcionando um design contrastante.

Display

A tipografia display são fontes mais artísticas, que não têm como ser classificadas em nenhum dos tipos anteriores. As letras geralmente são mais enfeitadas e podem ter até figuras e símbolos no lugar do alfabeto. Não costumam ser usadas para escritas longas, já que suas características podem prejudicar bastante a leitura. Uma fonte Display é a Gilbert. Essa fonte foi criada para honrar o criador da bandeira LGBTQ, Gilbert Baker e você pode baixá-la gratuitamente.

As famílias tipográficas

Chamamos de família tipográfica as fontes que são diferentes, mas que possuem as mesmas características de base como largura, espessura e outros traços. É comum também que as famílias tipográficas tenham variações como Thin, Light, Regular, Medium ou Semi Bold, Bold e Black ou Extra Bold, além das variações em itálico. Também podem ter variações de larguras como: Condensado, Regular ou Estendido.

Como escolher a fonte certa para os materiais digitais?

A verdade é que, para um trabalho profissional, o recomendado é que você contrate um designer. Além dos contextos apresentados neste texto, existem ainda muitos outros relacionados ao estudo da tipografia.

Escolha uma fonte

No entanto, se você gosta do tema ou por algum motivo precisa escolher uma fonte sozinho, pode procurar no Google Fonts. São diversas fontes disponíveis para download e a maioria tem licença aberta, ou seja, você pode utilizá-las sem precisar ficar receoso quanto aos direitos autorais.

Aliás, é importante ressaltar que fontes exclusivas ou personalizadas podem ter direitos autorais e seu uso sem permissão pode levar a problemas.

Quando for escolher, lembre-se de pensar na aplicação da fonte, verificar sua legibilidade na tela e se ela tem sentido em ser usada com o público-alvo do material. Se você estiver escolhendo a fonte para o seu site, por exemplo, pode usar estilos mais chamativos nos títulos e outros mais convencionais e de melhor legibilidade no conteúdo.

Fique atento ao uso em redes sociais

O contraste nas tipografias dos posts pode ser uma ferramenta e tanto para chamar a atenção dos usuários das redes sociais. Apesar de não ser recomendado o uso de várias fontes em um material só, pode ser interessante combinar estilos, favorecendo o layout e a hierarquia do conteúdo.

Use no máximo três combinações em cada imagem e lembre-se de adotar um padrão para tornar seu post reconhecível e facilmente associável à sua marca. Você pode selecionar uma fonte para usar em títulos, outra em subtítulos, outra em conteúdo, outra em observações, etc.

Dica: adote modelos padrões para temas específicos como por exemplo um modelo de imagem para as frases, outros para divulgar novidades, outro para dicas, enfim. Sempre lembrando da sua paleta de cores e da identidade visual. Além de facilitar o processo, o resultado depois se torna mais profissional.

Olha só o modelo que fizemos para falar sobre as cidades do Canadá para o nosso cliente:

Reprodução Instagram: @canadaponto

 

Reprodução Instagram: @canadaponto

Como escolher a melhor fonte para a logo?

Quando um designer profissional cria a logo, ele normalmente cria também todo o conceito da identidade visual. Está tudo alinhado, uma vez que o intuito desse estudo é estabelecer não somente as fontes, mas a paleta de cores e as formas de aplicação da logo.

Ao criar um manual de identidade visual, você consegue registrar todo o conceito da marca e como ela será transmitida, garantindo que qualquer material, seja digital ou não, seja homogêneo.

Dentro do manual será escolhida a fonte da logo e outras fontes que podem ser utilizadas em títulos e nos conteúdos. Essas fontes combinam entre si e são selecionadas conforme a imagem que a empresa que passar: moderna, clássica, vintage, descolada, entre outras possíveis características. Neste momento também é escolhida a cor da fonte da logo, que precisa estar em sintonia com os traços da fonte.

Olha só um trechinho do manual de identidade visual que criamos para a D’Canto:

Menos é mais

Quem não compreende muito bem de design tende a criar logos muito elaboradas, com diversos elementos e textos, sem pensar na aplicação dessa logo nos materiais futuramente.

A legibilidade da logo sempre foi importante e agora com os celulares sendo os meios mais utilizados para navegar na Internet, ela se tornou completamente essencial. Diversas marcas já reduziram suas logos, retirando elementos e muitas vezes até o texto completo e deixando somente o símbolo.

Tanto que um conceito muito em alta é o Flat Design. Sua característica principal é ser clean, sem efeitos e interferências visuais. Ele se utiliza de elementos que simulam a tridimensionalidade das interfaces, mantendo a simplicidade com elementos minimalistas, cores chapadas e contrastes. Veja abaixo alguns exemplos de logos que foram simplificados:

Exemplos de logos famosos e seus conceitos

Agora que você já compreende a importância da tipografia correta e do minimalismo das logos, conheça também os conceitos por trás de alguns logos de marcas famosas e entenda por que ele vai muito além da escolha da letra mais “bonita”:

Amazon

Está vendo a seta laranja? Veja como ela forma, ao mesmo tempo, um sorriso e liga as letras A e Z, mostrando que a marca vende muitos tipos de produtos. Sua fonte sem serifa e com espessura maior garante a legibilidade.

FedEx

Veja como as últimas letras têm cor diferente do restante. Entre o “E” e o “X” você consegue encontrar uma seta, simbolizando rapidez e também que a empresa está sempre seguindo em frente.

Starbucks

O nome Starbucks foi inspirado no capitão Starbuck do famoso livro Moby Dick, além de ser uma referência a uma ilha do Pacífico Sul. Em seu logo original, era retratada uma sereia de duas caudas, que na mitologia grega eram responsáveis por naufrágios e desastres marítimos.

A logo da marca sofreu diversas alterações ao longo dos anos. Foram reduzidos elementos, trocaram as cores e, por fim, ela se tornou o que conhecemos atualmente. A última mudança proporcionou melhor utilização em materiais gráficos impressos e digitais. Para saber mais, recomendamos este artigo.

Nike

O nome do logotipo da Nike é Swoosh e foi criado em 1971 pela designer Carolyn Davidson. Ele representa a asa da estátua da deus grega da vitória cujo nome é, adivinha? Nike. A logo passou por diversas transformações até chegar ao que é atualmente.

Agora que você já sabe o que é tipografia, que tal criar um conceito incrível para a sua marca? Na 1nic nós montamos o seu manual de identidade visual completo, indicando as melhores fontes, cores e símbolos para que a sua marca transmita a mensagem que você realmente deseja. Entre em contato!

Inscreva-se em nossa newsletter

Receba dicas, Informações e novidades sobre marketing digital

Contato

E-mail: contato@1nicdigital.com.br
Nos acompanhe nas redes sociais
WhatsApp